<body bgcolor="#FFFFFF"><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d19753705\x26blogName\x3dle+fabuleux+destin\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://lfabdestin.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://lfabdestin.blogspot.com/\x26vt\x3d-571507579209464082', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

                

Sobra tanta falta
Sobra a falta de vontade de sair da frente dessa tela e correr para debaixo do edredon, porque sozinha parece que não vai valer a pena gerar calor para esquentar só metade de mim, já que a outra metade está por aí com você. Sobra a falta do medo dos barulhos medonhos vindos da sala, só porque sobra a falta de não querer parar de escrever. Escrever pensando em você, só pra variar. Sobra a falta de raciocínio. De olhar para essas palavras e por um momento não lembrar o significado da palavra "falta" e balançar a cabeça, como num desenho animado, para ver se as idéias retornam aos seus lugares. As idéias voltaram, eu acho. E você, retorna a seu lugar que é ao meu lado? Sobra a falta de olhar pra você dirigindo toda concentrada, cantarolando alguma coisa junto com o rádio, e logo depois me olhando de canto de olho, com um sorriso envergonhado. Foi sempre assim, até a gente aprender que cantar junto era mais legal. Mas ainda bem que o olhar de escanteio e o sorriso envergonhado não deixaram de visitar essa janela tão escancarada que é seu rosto. Porque se Pessoa estivesse vivo, eu diria a ele que seu rosto todo é a janela de sua alma. Tão lindo e transparente. Sobra a falta de tudo isso. Sobra a falta da sua raiva descarada ao perder de mim. Aliás, sobra tanta falta de jogar vídeo game com você. Meu irmão ganhou a guitarra, te contei? Sobra tanta falta de quando suas palavras condiziam com as suas atitudes. Sobra tanta falta de você me ligando duas, três, quatro vezes ao dia e eu adorando, e descobrindo antes mesmo de tocar o telefone, que você iria me ligar. E já que citei meu super amigo Gerúndio, sobra tanta falta do seu medo de escrever uma palavra errada ou uma frase sem concordância. Mal sabe você que por muitas vezes eu procurei a palavra no Google, e a frase do site do Pascoale. Sobra tanta falta de saber que no dia seguinte você iria passar aqui em casa e a gente iria pra qualquer lugar e seria tão divertido quanto das outras vezes e cada vez mais. Sobra tanta falta da sua voz de criança mimada. Sobra tanta falta de tudo em você, que se eu escrevesse tudo sobraria a falta de vontade de ir ao supermercado amanhã de manhã. Se bem que essa vontade se esvaiu no momento em que me peguei pensando que queria que você fosse junto. Aliás, sobra a falta de vontade de me certificar de que "esvaiu" existe.

Sobra a falta de vontade de te esquecer. Sobra a falta de vontade de fingir que você não disse nada. Mas você faz tanta falta, que sobra sentimento sem sentido dentro de mim.

por Andrea de Lima @ 7/25/2007 03:40:00 AM
 
De madrugada
Me invade pela minha íris e agora aperta minha cintura. Cuidado pra não me arranhar com essa unha mal roída. Isso! Agora perde os dedos nos meus cabelos e devora minha nuca. Morde meu lábio com força... Cuidado pra não machucar! Ai! Doeu. Foi bom... Me beija bem devagar, deixa eu sentir sua boca. Escorrega a mão direita no meu pescoço e a esquerda onde você quiser. Consome o que resta de mim nesse início de dia seguinte. Agora me abraça. Boa noite. Eu também.

por Andrea de Lima @ 7/19/2007 03:07:00 AM
 
Um dia você percebe que os trezentos reais de conta telefônica no final do mês, não valeram as cinco horas de conversa gostosa. Um dia você percebe que as noites mal dormidas, com ela ou por ela, não valeram as olheiras fundas, que acordavam com você no meio da tarde. Um dia você percebe que as músicas escolhidas tom a tom, letra a letra, não valeram o som doído que faziam ecoar depois do fim. Um dia você enxerga que as fotografias tiradas com ela na cabeça - e no coração - não valeram o medo de ela não gostar. Um dia você se arrepende de ter chorado a média de oito litros de lágrimas e borrado várias páginas do seu caderno da faculdade. Um dia você percebe que o carvão gasto para desenhar uma dor, não valeram o resultado, que sempre te lembrava que o sentimento estava vivo. Um dia você sente que cada beijo, não valeu a falta que um por um te faz. Um dia você percebe que aqueles momentos tão íntimos e perfeitos, não valeram a vontade que te permeia hora após hora.

Um dia você entende, por fim, que tudo aquilo que escrevi antes é mentira. Que não se arrepende de porcaria nenhuma, e que viveria tudo novamente, mesmo os momentos ruins. E é nesse momento, que você percebe que o amor existiu e vai existir pra sempre. Mesmo que escondido.

por Andrea de Lima @ 7/10/2007 02:06:00 PM
 
moi
je par me
Saboreando as pequenezas da vida e tornando-as grandes. Tateando letras e montando um quebra-cabeça de palavras, em busca de alguma elucidação sobre mim, sobre você, sobre o mundo...

 
plus du moins
 
archive
 
aventures récentes
 
 
quincaillerie



blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

stéfis \o/